segunda-feira, 17 de junho de 2024

40 ANOS DE MACHINEMAN


Em Janeiro se completaram 40 anos do lançamento do seriado Machineman.
Assim, pra marcar a data, decidi fazer um post lembrando algumas curiosidades sobre esse tokusatsu:

Desde que começaram os primeiros rascunhos sobre Machineman, a intenção era criar um super-herói japonês voltado especificamente pro público infantil mais pequenininho (crianças de cerca de 5 anos) e que tivesse características principalmente do Superman e eventualmente de outros heróis ocidentais.
💥Quando o protagonista se apresenta como um rapaz de outro planeta, que esconde a origem dele enquanto convive com a população comum disfarçado de pessoa comum, que tem uma repórter como melhor amiga/aspirante a namorada, que se transforma num herói que usa uma capa nas costas e tem a inicial do nome dele desenhada no tórax e que tem como principal inimigo um cientista louco com ideias bizarras, até aí já dá pra ver características do Superman mostradas em várias versões diferentes do personagem.
A cena em que a Gunko cai do alto de um prédio e é salva no ar pelo Machineman é uma imitação da cena em que a Lois Lane cai de um helicóptero preso no alto de um prédio e é salva no ar pelo Superman em Super-Homem (1978).
O Ken quase sempre usa óculos e veste uma jaqueta marrom pra circular pelo Japão sem ser percebido. E isso claramente foi inspirado nos óculos e na jaqueta marrom do Clark Kent vista em Superman 2 (1980).
💥A arma principal que ele usa pra lutar é uma espada de lâmina laser, obviamente inspirada nas espadas dos jedis da série Star Wars (1977).
💥As espadas laser de outros heróis japoneses do mesmo tipo quase sempre tinham o formato de ninjatos. Mas a espada do Machineman tinha o formato de um florete e, num dos golpes mortais que ele dava com ela, ele fazia um movimento de Z. E isso obviamente são características do Zorro.
💥Os vilões também tiveram um certo toque de seriados ocidentais feitos pra crianças. Principalmente na fase em que a Lady M assume o comando e, alternados com os robôs guerreiros que ela envia, também vai sempre algum vilão humano fantasiado de alguma coisa... Isso lembra bastante os vilões de desenhos como O Inspetor (1965) e Os Impossíveis (1966), por exemplo.
💥Falando nos vilões, só fizeram 3 fantasias de robôs, que eram remodeladas a cada episódio pra parecer que eram vários robôs diferentes que o Professor K tinha à disposição dele. Botavam uma decoração diferente nos braços da fantasia no episódio de hoje, outra decoração diferente na cabeça da fantasia no episódio de amanhã...
E a ideia deve ter parecido boa aos produtores de Cybercops, os Policiais do Futuro (1988), já que lá eles usaram exatamente o mesmo esquema pra representar os robôs da Tropa Harkos e da Tropa Ominos.
💥Os japoneses não deixaram de homenagear também aquele que foi talvez o principal herói nipônico até o início dos anos 80: a forma como o Ken se transforma em Machineman, apontando um aparelho pro alto, é basicamente a mesma coisa que o Shin Hayata fazia pra se transformar em Ultraman no seriado original do herói (1966).
💥Machineman é um metal hero?
Esse é aquele tipo de pergunta que tem uma resposta oficial e outra prática: oficialmente, não; na prática, dependendo do ponto de vista, sim.
Acontece que foi a Toei Company que fundou a franquia dos metal heroes. Assim, quem bate o martelo pra decidir se um seriado faz ou não parte dessa franquia é a Toei. E a Toei nunca reconheceu Machineman como um metal hero. Então...
Entretanto, é inegável que Machineman tem várias características de metal hero: o herói principal é um rapaz associado de alguma forma a extraterrestres, que tem como base a própria nave que trouxe ele pra Terra, que através de alta tecnologia veste uma armadura pra lutar, que enfrenta uma organização criminosa que a cada episódio manda um ‘monstro’ com um poder diferente, que dá os golpes mortais nos inimigos dele com uma espada laser e que anda sempre junto com uma moça que funciona como uma espécie de assistente dele. Ou seja, na prática, não deixa de ser um metal hero.
Curiosamente, Machineman fez mais sucesso do que Shaider, o Detetive do Espaço (1984), o metal hero oficial que a Toei exibia simultaneamente.
💥Uma pergunta que muita gente já se fez: aquelas cartas que o Machineman recebia de crianças que eram fãs dele no final dos episódios eram de verdade?
Sim, eram de verdade. Várias pessoas envolvidas na produção do seriado já confirmaram isso em público.
💥No disfarce terráqueo que usava, o Ken tinha uma moto... É difícil entender onde ele arranjou dinheiro pra comprar e manter uma moto, né?rsrs
💥Em 24 de Março de 1991, a repórter Annette Schwartsman escreveu uma matéria pra Folha de São Paulo sobre seriados japoneses de aventura. E entre outras pérolas que ela publicou ali sobre o assunto talvez valha a pena mencionar algumas coisas que ela disse sobre Machineman. Quando alguém fala daquilo que não conhece mas com certeza absoluta de que conhece, às vezes isso rende pelo menos umas boas risadas pra quem ouve, né?
Em 1º lugar, ela chamou o seriado de Machine Alien.
Depois disso, ela disse que ele veio do Planeta Máquina (o 1º episódio deixa claro que ele veio do Planeta B, do Sistema Estelar das Plêiades).
Depois disso, ela disse que ele se instalou no fundo do “lado Fuji”... Isso mesmo: “lado” com D!
Bom, ele instalou a nave dele no fundo de uma lagoa. Mas o que seria “lado Fuji”?!?!?!
E ela encerrou dizendo que o herói tem como melhor amigo na Terra um fotógrafo chamado Hayama... Bom, nessa ela quase acertou. Mas mudou o sexo da personagem: a fotógrafa em questão se chama Maki Hayama (a personagem foi chamada de Gunko, na tradução brasileira) e foi interpretada pela atriz Kiyomi Tsukada.
💥Infelizmente, o ator Osamu Sakuta, que protagonizou o seriado, faleceu em 2020, devido a um câncer.

💪💪💪

Outras vezes em que o blog já falou sobre...

CYBERCOPS



MACHINEMAN








O INSPETOR




OS IMPOSSÍVEIS



SHAIDER






SUPER-HOMEM




ULTRAMAN










ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!
Brasil 2024: tempo de pensar no que é melhor pra sua cidade.

Nenhum comentário: