sexta-feira, 30 de abril de 2021

DACRE MONTGOMERY

O australiano Dacre Montgomery talvez seja mais conhecido por ter interpretado o herói Jason em Power Rangers (2017). Mas antes disso ele já tinha aparecido no filme Perigo Próximo (2016), que foi o único trabalho dele até hoje na área do terror.
Mais informações sobre o ator? Lá vai:















ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até Maio!

domingo, 25 de abril de 2021

A CRIATURA DO CEMITÉRIO

títulos originais: Graveyard Shift / Chikashitsu No Akumu
título brasileiro: A Criatura do Cemitério
ano de lançamento: 1990
países: Estados Unidos / Japão
elenco principal: David Andrews, Kelly Wolf, Stephen Macht
direção: Ralph S. Singleton
roteiro: Stephen King (autor do texto original) e John Esposito

Numa cidade do interior dos Estados Unidos, um cemitério abandonado agora fica frequentemente alagado. E a água parada e suja atraiu uma grande quantidade de ratos, que têm infestado uma fábrica de produtos têxteis, vizinha do cemitério.
Um cara antipático chamado Warwick é o dono do lugar. E ele mantém o estabelecimento de pé com várias irregularidades e condições precárias, fazendo a fábrica funcionar principalmente no turno da noite, pra dar uma diminuída no ar quente e na falta de ventilação que os funcionários são obrigados a respirar.
Uma noite, um dos empregados vê uma grande sombra na parede se aproximando dele por trás. E ao olhar pra ver o que é, ele leva um susto tão grande que cai dentro da máquina que retalha o algodão, morrendo moído lá dentro!
Pouco depois, um jovem viúvo sem filhos chamado John resolve recomeçar a vida na mesma cidade. E como lá não tem muitas oportunidades de trabalho além do que se encontra num bar e na dita indústria têxtil, ele consegue um emprego nessa última, substituindo o cara que morreu. Mas ele vai descobrir que o pior que existe naquela fábrica não é o calor, não é o ar abafado, não é a sujeira, não são os ratos normais que infestam a fábrica... O pior que existe ali é uma coisa monstruosa que vive no subsolo da fábrica e que o John vai ser obrigado a encarar pessoalmente...

Terminada a fase de ouro do Cinema de Terror dos anos 80, temos que admitir que também tivemos muitas produções de terror interessantes (dependendo do ponto de vista, é claro) nos anos 90. E uma das primeiras delas foi a coprodução nipo-estadunidense A Criatura do Cemitério, inspirada no conto O Último Turno (1970), do Mestre Stephen King.
A propósito, o cemitério que aparece na história não tem nada a ver com o título estadunidense dessa produção. O filme se chama Graveyard Shift porque isso é uma gíria que se usa nos Estados Unidos pra definir o turno da noite no trabalho, que os funcionários da fábrica são obrigados a cumprir.
Bom, esse filme é uma super obra-prima do terror? Não.
Aliás, nem se dá nenhuma explicação sobre o que o monstro é. E embora algumas cenas deem a entender que o Warwick sabe alguma coisa sobre o passado da fábrica relacionada ao cemitério (e à consequente origem da criatura), o assunto não se desenvolve.
O conto original fala de um bando de ratos que ficaram numa construção abandonada e acabaram seguindo uma evolução alternativa. E julgando pela aparência da criatura desse filme, parece que se inspiraram nisso.
E mais uma: que boneco mais tosco que fizeram pra representar o monstro! Sabem o morcego-cyborg Doragurasu de Kosoku Sentai Turboranger (1989)? Pois é. O monstro desse filme aqui parece aquilo pintado de branco. Sério mesmo!
O comportamento dos habitantes da cidade também é meio estranho: vão sumindo várias pessoas que trabalham na fábrica (ou o monstro vai fazendo elas sumirem, se preferirem dizer assim) e ninguém parece ligar muito pra isso. Imaginem se, numa cidade do interior, que é o tipo de lugar onde todos mais vigiam a vida de todos no Mundo, ia existir essa indiferença por tantos desaparecimentos assim!
Mas, tirando essas derrapadas, A Criatura do Cemitério é um filme legal. Não é nenhuma maravilha, mas também não é nenhuma podreira.
Mais informações sobre o filme? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘sentais’ que você acha um post sobre Turboranger.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

sábado, 24 de abril de 2021

CHRIS STROKES

Apesar de já ter trabalhado por mais de 10 anos e em mais de 1500 filmes de vários tipos diferentes como ator pornô, o Chris Strokes (também creditado algumas vezes como Braden) só apareceu em 1 filme de terror até hoje.
Se trata de Halloween: XXX Porn Parody (2011), que, como o próprio nome deixa bem claro, é uma paródia pornô do clássico slasher Halloween (1978).
O personagem do Chris, chamado Michael Meyers, é uma óbvia caricatura do Michael Myers, vilão principal da franquia lançada pelo filme de 1978.
Mais informações sobre o Chris? Lá vai:









E dê uma clicada aí do lado em ‘slashers’ que você acha um post sobre Halloween.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

quarta-feira, 21 de abril de 2021

A CASA DA ÁRVORE DOS HORRORES / A CASA DOS HORRORES

título original: Treehouse of Horror
títulos brasileiros: A Casa da Árvore dos Horrores / A Casa dos Horrores
ano de lançamento: 1990
país: Estados Unidos
produção: Fox Broadcasting Company

Resultante de alguns desenhos animados de curta-metragem produzidos em 1987, o seriado Os Simpsons como nós conhecemos hoje estreou em 1989.
E em Outubro do ano seguinte, o seriado teve um especial de Halloween intitulado A Casa da Árvore dos Horrores (recebeu esse nome porque mostra o Bart, a Lisa e a Meg na casa da árvore deles contando histórias aterrorizantes).
A ideia foi bem recebida pelo público, resultando no lançamento de novos especiais do mesmo tipo em todos os anos seguintes.
Entretanto, embora a intenção inicial fosse apenas criar episódios especiais pros Simpsons, a quantidade de capítulos desse tipo que foram se aglomerando acabaram resultando num seriado independente, sem nenhuma conexão com a cronologia do seriado dos Simpsons, mas usando personagens dos Simpsons, que aqui são tratados de forma 100% independente do outro seriado. Por exemplo: frequentemente tem personagens que morrem aqui e continuam vivos em Os Simpsons.
Enfim, é um seriado lançado dentro de outro seriado.
No Brasil, alguns episódios do seriado foram lançados na televisão com o título de A Casa da Árvore dos Horrores e outros com o título de A Casa dos Horrores.
O seriado basicamente satiriza produções de terror e de ficção científica das mais variadas épocas e temáticas, lançando em cada capítulo 3 histórias, cada uma com em média 6 minutos de duração. Mas sempre com um humor cáustico e um ar de deboche.
A Casa da Árvore dos Horrores já teve 31 episódios até agora e continua em desenvolvimento até hoje. Mas mantendo a tradição de só ter 1 capítulo novo lançado a cada ano.
Mais informações sobre o seriado? Lá vai:


Até a próxima!

terça-feira, 20 de abril de 2021

TONY T.

O nova-iorquino Tony T. trabalhou como ator por pouco mais de 10 anos no meio pornô. Depois, deixou de entrar no meio da ‘farra’ e passou a trabalhar nos filmes pornô só como diretor. E em 2016, ele deixou o meio pornô aparentemente de vez, depois de já ter diminuído um pouco a marcha desde 2012.
Ao longo da carreira, a única produção de terror pornô com que ele se envolveu foi o filme GrubGirl (2006).
Mais informações sobre o Tony? Lá vai:











Até a próxima! 

domingo, 18 de abril de 2021

KAMEN RIDER BLACK RX

título original: Kamen Raida BLACK RX
título brasileiro: Kamen Rider Black RX
ano de lançamento: 1988
país: Japão
elenco principal: Atsuko Takahata, Makoto Sumikawa (creditada aqui como Jun Koyamaki), Tetsuo Kurata
direção: Yoshiaki Kobayashi
roteiro: Junichi Miyashita, Kenichi Araki, Kyoko Sagiyama, Shotaro Ishinomori, Takashi Ezure e Takashi Yamada

No final de 1988, o Japão quase foi destruído pela seita Gorgom. Mas o jovem Issamo Minami, transformado contra a própria vontade por Gorgom no mutante guerreiro Black Kamen Rider, conseguiu destruir a seita e salvar o país.
Entretanto, todos os amigos que ele fez e todas as pessoas mais próximas dele ou morreram ou então se afastaram dele pra sempre na fase final da luta contra Gorgom. E totalmente sozinho, ele pegou a moto dele e partiu sem destino, já que a única coisa que restava fazer agora era procurar um novo lugar no Mundo pra começar uma nova vida.
Isso aconteceu quando o Issamo se aproximou da Família Sahara: eles tinham uma companhia de helicópteros e ofereceram a ele um emprego como piloto, ao mesmo tempo em que quase adotaram ele como um novo membro da família.
Mas a paz acaba quando uma organização extraterrestre, o Império Crisis, se aproxima da Terra em 1993, pretendendo matar todos os humanos e transferir os habitantes do planeta deles pra cá.
O General Jark, comandante da invasão, rapta o Issamo e propõe a ele que se una ao Império Crisis e ajude a realizar os planos deles. Mas como o herói se recusa, ele é mortalmente ferido pelos vilões e lançado ao espaço... Entretanto, a luz do Sol atinge o king stone que se encontra dentro da barriga do Issamo enquanto ele flutua no espaço. E esse fenômeno provoca uma nova metamorfose nele, agora transformando ele em Kamen Rider Black RX, o Filho do Sol.
Com os novos poderes que acabou de adquirir, agora compete a ele defender a Terra dessa nova ameaça.

Numa rara ocasião em que a Toei fez a história de um seriado continuar em outro, ela apresentou ao público Kamen Rider Black RX, que estreou no Japão uma semana depois da exibição do último capítulo de Black Kamen Rider (lançado em 1987), em Outubro de 1988 (embora, como já vimos, a história se passe 5 anos depois).
RX foi o último seriado japonês de aventura dos anos 80 a ser exibido pela extinta Rede Manchete, aparecendo nas telinhas brasucas em 1995 (e vale lembrar que pouco mais de 5 anos antes disso a Manchete tinha virado o grande ponto de encontro de seriados desse tipo no Brasil). E foi também o 2º e (até agora) último kamen rider a ser exibido aqui. Então, de certa forma, RX marca o fim da era dos seriados nipônicos dos anos 80 na TV aberta do Brasil, né?
O ator Tetsuo Kurata, que protagonizou o seriado anterior como o Issamo, volta aqui interpretando o mesmo personagem. Mas o maior link além dele que tentaram fazer entre esse seriado e o outro foi a volta do vilão Shadow Moon. Só que lá ele era um dos vilões principais e aqui ele faz só uma participação especial em poucos episódios. E ele nem muda nada na história.
Tirando isso, tudo aqui é diferente.
Aliás, a maior diferença, que a gente percebe logo de cara ao comparar os 2 seriados, é que RX ficou com um clima muito mais light que Black Kamen Rider...
O Issamo deixou de lado as jaquetas cinzentas que usava quase sempre, passando a se vestir com roupas mais claras; ele passa a sorrir com mais frequência; ele começa a namorar uma fotógrafa chamada Reiko... Enfim, destruíram a imagem do herói fechadão e solitário que ele tinha antes.
Aliás, se antes ele lutava contra Gorgom quase sempre sozinho e foram poucos os episódios em que ele teve algum aliado significativo quando a coisa ficava séria, aqui ele vai formando um grupo de amigos ao longo do seriado pra ajudarem ele na luta contra o Império Crisis (um deles, chamado Jo, passa a ser uma espécie de alívio cômico do seriado, frequentemente fazendo alguma coisinha engraçada em várias cenas em que ele aparece).
E se os vilões que mais se destacaram no seriado anterior foram os 3 fantasmagóricos sacerdotes de Gorgom, cada um vestido com um chador branco igual ao dos outros 2, aqui os vilões são até bem coloridos, cada um vestido com uma roupa de cores e formatos diferentes.
Por que aconteceram essas mudanças? Porque a Toei quis chamar mais a atenção do público infantil, que não tinha dado tanta bola assim pro seriado anterior.
Uma prova disso é que, nessa nova versão, os roteiristas dão um carro-robô ao herói e fazem ele assumir novas aparências quando se transforma, dependendo do sentimento que ele tenha na hora: Robô Rider, o Príncipe da Tristeza, e Bio Rider, o Príncipe da Ira (e a partir daqui, mudanças de aparência do herói principal viraram um clichê entre os seriados seguintes da franquia kamen rider). E a moto dele também muda de aparência de acordo com a aparência que ele assume quando se transforma.
Conclusão: tudo o que eu acabei de mencionar foi lançado como brinquedinho na época, pra alegria da criançada japonesa.rsrs Deu pra entender o motivo de tantas mudanças?
Mas, como os acontecimentos tristes são um clichê da franquia kamen rider, isso também não deixa de existir aqui: no penúltimo episódio, 2 personagens do bem, que apareciam desde o início do seriado, são mortos por um dos vilões principais. E eles morrem mesmo! Não esperem que eles ressuscitem magicamente na última cena nem nada disso.
Quanto ao roteiro em si... Não vou dizer que é ruim, mas deixa algumas situações sem explicação.
Por exemplo, o desaparecimento da Lord Insector, uma das super motos do herói em Black Kamen Rider. Ninguém explica que fim a máquina levou.
Mas a situação que ficou mais contraditória foi já no final do seriado: quando o Mundo inteiro vê que a situação no Japão tá ficando cada vez mais séria devido aos ataques do Império Crisis, os 10 kamen riders que apareceram em todos os seriados anteriores da franquia se juntam pra ajudar o RX a resolver o problema.
Ué! Mas no seriado anterior a situação tinha ficado mais séria do que isso, quando Gorgom matou o herói e depois se apossou do Japão (por um breve período, mas se apossou). Por que os 10 kamen riders mais antigos não apareceram naquela ocasião pra salvar o Japão?
Outra coisa que eu achei meio boba: a cada novo episódio, sempre que os vilões mandam um monstro novo pra lutar contra o RX, eles dizem que aquele é o mais poderoso de todos os monstros do Império Crisis. Cada monstro novo que aparece é “o mais poderoso”? Meio sem sentido, né?
A tradução brasileira também deu algumas pequenas derrapadas...
Por exemplo, o Império Crisis veio do Planeta Kaima. Mas, em alguns episódios, os tradutores se confundiram e chamaram as coisas aí de Planeta Crisis e Império Kaima.rsrs
A atriz Atsuko Takahata, que aqui interpretou a feiticeira perversa Mariebaron, já tinha interpretado outra feiticeira perversa em O Fantástico Jaspion (1985): a Kilza.
O ator Makoto Akatsuka, que aqui interpretou o Shunkichi Sahara, já tinha feito uma participação simples em 1 episódio de Black Kamen Rider, mas como outro personagem.
A atriz Makoto Sumikawa (que na época respondia pelo nome de Jun Koyamaki) aqui interpretou a Reiko, mas já tinha interpretado a Lady Diana em Spielvan (1986) e já tinha feito uma participação simples em Metalder, o Homem-Máquina (1987).
O ator Kenji Ohba fez uma participação aqui no episódio 34. Mas ele já tinha interpretado o guerreiro azul Daigoro em Denshi Sentai Denziman (1980); já tinha protagonizado Space Cop (1982); já tinha voltado em Sharivan, o Guardião do Espaço (1983) como o mesmo personagem de Space Cop transformado em herói recorrente; e já tinha feito uma participação simples em Metalder. E depois ainda faria uma participação simples como um mestre ninja em Jiraiya, o Incrível Ninja (1988) e apareceria no filme Uchu Keiji Gyaban Za Mubi (2012).
O ator Joe Onodera, que aqui interpretou o cozinheiro Goro, já tinha feito uma participação simples em 1 episódio de Machineman (1984).
O ator Kenji Fukuda, que tinha interpretado o Príncipe Ícaro em Esquadrão Relâmpago Changeman (1985), aqui interpretou um fugitivo do Império Crisis que é morto pelos vilões assim que é encontrado.
O ator Yoshinori Okamoto, que aqui fez uma rápida participação aparecendo num táxi, já tinha feito participações simples em Denziman; Taiyo Sentai San Barukan (1981); Goggle Five, os Guerreiros do Espaço (1982); Space Cop; Sharivan; e Shaider, o Detetive do Espaço (1984). E faria mais uma em Jiban (1989). Além de já ter interpretado o robô Shiruba em Chodenshi Bioman (1984), o pirata espacial Buba em Changeman, o herói Deus Titan e o vilão Galdan em ComandoEstelar Flashman (1986), o ninja subterrâneo Oyobu em Defensores da Luz Maskman (1987) e o vilão Ashura em Choju Sentai Liveman (1988).
E o ator Toshimichi Takahashi, que aqui interpretou o robô Gatezon, já tinha feito algumas figurações em Denziman, San Barukan e Kagaku Sentai Dynaman (1983), já tinha interpretado o herói Keiso em Sharivan, o General Des-Killer em Goggle Five, o vilão Iki em Jaspion, e o Dr. Bio em Spielvan, um policial no filme de terror Baioserapi (1986), um dos guerreiros que lutaram contra o Akira em Defensores da Luz Maskman (1987) e o Sacerdote Baraom em Black Kamen Rider.
Em 1995, a Saban Entertainment comprou os direitos autorais sobre RX e usou algumas cenas dele como stock footage no seriado Masked Rider, pretendendo repetir o sucesso de Power Rangers (1993).
Só que eles já tinham tentado fazer o mesmo em 1994, quando tinham usado cenas de Shaider; Spielvan; e Metalder como stock footage em VR Troopers. E assim como Troopers, Masked Rider não deu tão certo quanto Power Rangers, sendo tirado do ar sem um último episódio gravado.
Mais informações sobre RX? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘produções japonesas’ que você acha posts sobre Baioserapi, Bioman, Black Kamen Rider, Changeman, Denziman, Dynaman, Flashman, Goggle Five, Jaspion, Jiban, Jiraiya, Liveman, Machineman, Maskman, Metalder, San Barukan, Shaider, Sharivan, Space Cop, Spielvan e Uchu Keiji Gyaban Za Mubi.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

sábado, 17 de abril de 2021

T. J. CUMMINGS

O Ramon Nomar é venezuelano e o T. J. Cummings (também creditado algumas vezes como Blake Smith e Nick Steel) é estadunidense. Só digo isso porque algumas pessoas confundem os atores pornô mencionados acima. Ambos são parecidos e ambos são colegas de trabalho. Mas parece que as semelhanças ficam por aí.
Bom, quais foram as produções de terror em que o T. J. já se envolveu até hoje?
Em 2001, ele apareceu em Pirate Video Episode 12: The Perversions of the Damned e em Succubus.
No ano seguinte, ele foi visto em Emoções.
Em 2006, o T. J. participou de Hannah vai ao Inferno.
Em 2013, o T. J. teve num telefilme de pornografia softcore (pra quem não sabe o que é isso, é aquele tipo de filme que passava no extinto Cine Privê da Band) chamado Monster of the Nudist Colony, que também era uma comédia de terror.
E em 2017, o diretor David Zani fez uma coisa um pouco bizarra... Ele pegou algumas cenas de Monster of the Nudist Colony, misturou com algumas cenas de outros filmes e criou uma produção de comédia & terror chamada Bigfoot Horror Camp, com uma história que é um pouco difícil de entender...
Bom, as cenas do T. J. de Monster of the Nudist Colony foram reaproveitadas ali.
Mais informações sobre o ator? Lá vai:


Até a próxima!

domingo, 11 de abril de 2021

BLACK KAMEN RIDER / BLACKMAN

título original: Kamen Raida BLACK
títulos brasileiros: Black Kamen Rider / Blackman
ano de lançamento: 1987
país: Japão
elenco principal: Akemi Inoue, Takahito Horiuchi, Tetsuo Kurata
direção: Yoshiaki Kobayashi
roteiro: Noboru Sugimura e Shozo Uehara

Em 1968, nasceram ao mesmo tempo 2 meninos, chamados Issamo Minami e Nobuhiko Akizuki. E como os pais do Issamo morreram quando ele tinha 3 anos, o pai do Nobuhiko, que era amigo deles, adotou o menino.
Os 2 viveram felizes e em paz até o dia em que completaram 19 anos...
Coisas muito estranhas aconteceram na festa de aniversário deles. E terminada a comemoração, eles foram procurar o pai pra conversar sobre o assunto. Mas foram raptados por 3 figuras fantasmagóricas.
É assim que eles descobrem que uma seita chamada Gorgom, governada por um abstrato ser extraterrestre conhecido como Grande Rei, tá a ponto de dominar o Japão. E mais: o pai dos rapazes é um membro dessa seita! E vendo que não há como deter o avanço de Gorgom, o coroa permitiu que aquelas 3 criaturas, os sacerdotes de Gorgom, raptassem os 2 rapazes e submetessem eles a uma cirurgia mutante, pra que eles pudessem pelo menos ocupar o alto escalão da seita e se tornar sucessores do Grande Rei.
Depois que a cirurgia já começou, o homem se arrepende e tenta impedir que a coisa siga em frente, conseguindo libertar pelo menos o Issamo, que foge correndo sem destino, sendo perseguido pelos sacerdotes.
Nesse instante, as modificações que a cirurgia fez no corpo do Issamo fazem com que ele entre numa espécie de metamorfose, assumindo a aparência mutante que Gorgom já esperava que ele passasse a ter. E agora com o nome de guerra de Black Kamen Rider, ele bota os sacerdotes pra correr e dá início à nova razão da vida dele: destruir Gorgom e resgatar o Nobuhiko.

Há exatamente 50 anos, em 1971, a Toei Company lançou um seriado chamado simplesmente Kamen Raida, que mostrava basicamente o que o público japonês gosta de ver em seriados de aventura: um herói de aparência relativamente metálica lutando contra um monstro diferente a cada capítulo e salvando o Japão (ou mesmo o Mundo) no final.
Como foi uma coisa relativamente diferente dos seriados japoneses da mesma época por apresentar um herói de tamanho humano em vez de um costumeiro herói gigante, Kamen Raida fez bastante sucesso entre o público nipônico. Tanto que esse seriado se manteve no ar até 1973, totalizando nada menos que 98 episódios (coisa realmente raríssima de se ver)!
Já que o resultado foi tão bom, é evidente que a Toei foi lançando nos anos seguintes outros seriados que seguiam os passos de Kamen Raida. E como o herói lá de 1971 tinha uma personalidade mais melancólica, tinha uma aparência mais insetoide, usava sempre uma moto como o veículo principal dele e tinha um desenvolvimento de história mais dramático, todos os heróis principais da franquia vistos nos anos seguintes tiveram características no mínimo parecidas com essas.
E foi assim que a coisa acabou chegando a Kamen Raida BLACK, o seriado da franquia lançado em 1987.
Lançado no Brasil pela extinta Rede Manchete, o seriado era anunciado como Blackman durante os intervalos comerciais da emissora. Mas, na própria abertura do seriado, o narrador apresentava o programa como Black Kamen Rider.
1987 foi um ano em que a Toei apostou mais em seriados que terminavam de forma dramática. Se a gente se lembrar dos últimos episódios de Defensores da Luz Maskman e Metalder, o Homem-Máquina (lançados naquele mesmo ano), dá pra ver que os heróis ali terminaram seguindo a vida do jeito que deu, mas ninguém terminou propriamente feliz, certo? E Black Kamen Rider seguiu essa onda melancólica da Toei de 1987. Só que não foi só a conclusão da história que teve um ar mais sério e triste, mas sim o seriado todo. Afinal, como eu já disse lá em cima, esse é o clima comum dos kamen riders.
Ao contrário de outros seriados japoneses de aventura, em que quase sempre a última cena de cada episódio mostra um dos heróis fazendo alguma palhaçada, aqui é mais comum o episódio se encerrar com o Issamo olhando pra frente de forma dura e pensativa. E o próprio ritmo musical da trilha sonora do seriado é explicitamente mais triste.
Enfim, pode se dizer que Black Kamen Rider é uma tragédia de aventura.
Pra quem tá acostumado a ver só metal heroes e sentais (que têm muito mais cenas de humor), talvez isso destoe um pouco dessas outras franquias. Mas é que a gente não tá acostumado mesmo a ver kamen riders em terras brasucas. De todas as franquias de seriados japoneses de aventura, os kamen riders talvez tenham sido a menos vista no Brasil: contando com Black Kamen Rider, só 2 kamen riders foram exibidos aqui na TV aberta. E vocês vão ver um post sobre o outro daqui a poucos dias...
Ainda em 1987, houve também um episódio de Black Kamen Rider feito pro cinema e com temática de terror. Mas não foi exibido no Brasil junto com o resto do seriado. Inclusive, o ator Akira Ishihama que já tinha aparecido em Comando Estelar Flashman (1986) e ainda apareceria em Jiban (1989), participou desse episódio.
Em 2020, a Rede Bandeirantes tinha planos de reprisar os episódios de Black Kamen Rider aos domingos de manhã, como já tinha feito com Esquadrão Relâmpago Changeman, O Fantástico Jaspion (ambos de 1985) e Jiraiya, o Incrível Ninja (1988). Mas o dublador Élcio Sodré, que fez a voz do Issamo na dublagem brasileira, fez uma reclamação devido aos direitos autorais envolvendo o uso da voz dele. E isso mexeu em questões burocráticas que acabaram obrigando a Band a tirar o seriado do ar logo depois que começou. Só os 2 primeiros episódios chegaram a ser reprisados.
O ator Jun Yoshida, que aqui interpretou o vilão Taurus, já tinha interpretado a Sacerdotisa Paú em Shaider, o Detetive do Espaço (1984); já tinha interpretado o disfarce humano de um robô guerreiro em Spielvan (1986); e depois faria uma participação simples em Jiban.
O ator Susumu Kurobe, que tinha protagonizado o seriado Ultraman (1966) como o herói Shin Hayata, aqui interpretou o vilão Hidetomi Kuromatsu.
O ator Ryosuke Sakamoto, que tinha protagonizado Chodenshi Bioman (1984) como o guerreiro vermelho Shiro, fez uma participação no 7º episódio aqui.
O ator Joji Nakata, que tinha interpretado o vilão Kaura em Flashman e depois interpretaria o vilão principal Biasu em Choju Sentai Liveman (1988), aqui interpretou um vilão redimido que abandonou Gorgom.
O ator Yutaka Hirose, que aqui fez uma participação simples em 1 episódio, já tinha feito várias pontas em Bioman, em Changeman e em Jaspion. Ele também já tinha interpretado o vilão Wandar em Flashman e mais tarde interpretaria o vilão Kemp em Liveman.
O ator Toshimichi Takahashi, que aqui interpretou o Sacerdote Baraom, já tinha feito algumas figurações em Denshi Sentai Denziman (1980), Taiyo Sentai San Barukan (1981) e Kagaku Sentai Dynaman, já tinha interpretado o General Des-Killer em Goggle Five, os Guerreiros do Espaço (1982); o herói Keiso em Sharivan, o Guardião do Espaço (ambos de 1983); o vilão Iki em Jaspion, e o Dr. Bio em Spielvan, um policial no filme de terror Baioserapi (1986) e um dos guerreiros que lutaram contra o Akira em Maskman.
O ator Koji Unogi, que aqui interpretou a aparência humana de um dos monstros mutantes de Gorgom, já tinha interpretado o guerreiro azul Yosuke em Dynaman, já tinha aparecido em 1 episódio de Flashman como o policial Hiroshi Tachibana e já tinha interpretado o monstro Hedogross Jr. em Metalder.
A apresentadora de TV francesa Dorothée, que apareceria em 2 episódios de Jiraiya interpretando a ninja francesa Catarina e também em 1 episódio de Liveman interpretando uma cientista sobrevivente da Ilha Academy, também apareceu aqui como uma francesa fazendo compras numa loja de Tókyo.
O hoje falecido ator Masashi Ishibashi, que aqui interpretou um mestre carateca em 1 episódio, já tinha feito participações simples em Space Cop (1982) e Shaider e já tinha interpretado o vilão Ka em Dynaman. E ele reapareceria como o vilão Raida em Kosoku Sentai Turboranger (1989).
Esse mês, a Toei anunciou que pretende lançar um reboot de Black Kamen Rider em 2022. Mas as informações sobre isso até agora foram muito vagas. Então, vamos ficar de olho pra ver as novidades que aparecerem daqui pra frente.
Mais informações sobre o seriado? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘produções japonesas’ que você acha posts sobre Baioserapi, Bioman, Changeman, Denziman, Dynaman, Flashman, Goggle Five, Jaspion, Jiban, Jiraiya, Liveman, Maskman, Metalder, San Barukan, Shaider, Space Cop, Spielvan, Turboranger e Ultraman.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

sábado, 10 de abril de 2021

STEVEN ST. CROIX

O californiano Steven St. Croix (também creditado algumas vezes como Benjamin Banks e Jean Luc Goddard) é mais conhecido pela longa carreira que tem como ator e diretor pornô. Mas também já participou de algumas produções convencionais.
Ao longo desse variado currículo, claro que ele já apareceu em algumas produções de terror.
Em 1994, o Steven foi visto em Ghosts.
Em 1999, ele participou de First Impulse.
Em 2001, o Steven fezparte do elenco dos filmes A Devil’s Tail, Phantom Love e Sexcess 2: Vampire’s Gulch e também protagonizou o filme Hell House.
No ano seguinte, ele apareceu nos filmes Dark Influences e Emoções e também foi visto em 1 capítulo do seriado A Sete Palmos, que mistura comédia com terror light.
Em 2004, o filme Possession contou com a presença do Steven.
Em 2007, ele participou do filme Supernatural e The House on Lovers Lane.
No ano seguinte, o Steven foi visto em Erotic Ghost Whisperer e em Piratas II – A Vingança de Stagnetti.
E em 2010, ele apareceu nos filmes Ghost Fuckers, Ghost Fuckers 5 e The Devil in Miss Jones: The Resurrection.
Mais informações sobre o Steven? Lá vai:


Até a próxima!

quinta-feira, 8 de abril de 2021

O ÚLTIMO TERROR

título original: The Final Terror
título em Português: O Último Terror
ano de lançamento: 1983
país: Estados Unidos
elenco principal: Adrian Zmed, Joe Pantoliano, John Friedrich
direção: Andrew Davis
roteiro: Jon George, Neill D. Hicks e Ronald Shusett

Em meados do século XX, existia uma madeireira em Mill Creek, uma divisão de uma floresta aonde estranhos não costumavam ir. E quando o dono dessa madeireira morreu, o irmão dele se mudou pra lá pra gerenciar o dinheiro da família a partir dali.
O falecido deixou uma filha de 14 anos. E numa ocasião em que o tio recém-chegado ficou sozinho com ela, ele estuprou a garota. E embora essa situação tenha se repetido várias vezes, a garota não tinha coragem de contar nada a ninguém, já que era o tio quem sustentava a família.
Conclusão: ela foi enlouquecendo aos poucos. Até que a família internou a garota num hospício naquelas proximidades, onde descobriram que ela tava grávida. Só que os médicos temeram pela segurança do bebê se ele ficasse com a garota, já que ela tinha se tornado muito agressiva. E assim que o menino nasceu, mandaram ele de volta pra família.
Passados 19 anos, o filho foi visitar ela. E ao ver que a mãe tinha ficado tão feroz que os médicos tinham sido obrigados a deixar ela presa numa jaula, decidiu levar ela pra morar com ele. Só que era impossível ressocializar a mulher com o nível de demência e ferocidade que ela tinha adquirido. E assim, o filho decidiu deixar a mãe solta naquela floresta, onde dizem que ela ainda vive...
Nos anos 80, um grupo de guardas florestais vão acampar em Mill Creek junto com algumas garotas. E depois de ficarem sabendo sobre a tragédia da mulher louca da floresta, eles vão acabar descobrindo que um dos personagens dessa história se encontra entre eles. E que agora eles já se envolveram nessa história até o pescoço!

The Final Terror nunca foi lançado comercialmente no Brasil. Mas foi lançado em Portugal com o título de O Último Terror.
Foi um slasher produzido a baixíssimo custo, feito de forma quase artesanal.
Como não havia dinheiro pra contratar um cameraman, o diretor teve que pegar a câmera e ele mesmo filmar tudo.
Também não tiveram dinheiro pra contratar dublês. E assim, foram os próprios atores que fizeram as cenas de risco.
O Último Terror foi filmado em 1981. Mas, como não conseguiram encontrar uma distribuidora pro filme, ele só foi lançado em 1983.
Quanto à história... Bom, é um slasher de floresta dos anos 80. Acho que é o máximo que dá pra dizer sobre isso.rsrs
O Último Terror é até bem mais fraquinho do que outros filmes do mesmo tipo que a gente vê, tem muito menos assassinatos, tem duração mais curta...
Aliás, depois que o resto do filme já tava pronto, o diretor chamou outro ator e outra atriz pra gravar uma cena de assassinato com eles e usar isso como prólogo, tanto pra deixar o filme um pouco mais longo (antes disso, não tinha chegado nem a 80 minutos) quanto pra aumentar o número de vítimas, que tinha sido muito baixo.
A última cena talvez faça vocês se lembrarem um pouco do final de Sexta-Feira 13 (1980). Mas quando se descobre quem tá matando as pessoas na floresta não chega a ser nenhuma grande surpresa. Prestando atenção na história da madeireira e depois prestando atenção nas pistas que os heróis encontram numa velha cabana na floresta, a coisa já fica bem clara.
Quanto ao grupo de heróis, houve um excesso de personagens completamente desnecessário (11 pessoas, ao todo). E a maioria nunca toma nenhuma atitude que mude nada na história nem chega a ser atacada em momento nenhum do filme. Nenhum dos heróis que sobrevivem até o final se destaca (e olhem que a grande maioria sobrevive!).
Vale a pena ver O Último Terror se você for super fã de slashers dos anos 80 ou se você tiver muita curiosidade de ver. De outro modo, eu já adianto que você vai achar no mínimo meio chato.
Mais informações sobre o filme? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘slashers’ que você acha um post sobre Sexta-Feira 13.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

quarta-feira, 7 de abril de 2021

JAY ASHLEY

O marylandiano Jay Ashley (também creditado algumas vezes como Mike e Shady O’Toole) tem uma carreira já longa como ator e diretor de vários tipos diferentes de produções pornô. Mas, curiosamente, o terror pornô não é uma das coisas mais comuns de se ver entre os cerca de 1000 filmes pornô em que ele já apareceu. 
A estreia dele na área foi em 1997, em Creatures of the Night.
No ano 2000, o Jay participou do 26º e do 28º filmes da franquia Perverted Stories.
E em 2010, ele apareceu em Half Moon e em Saw: a Hardcore Parody.
Mais informações sobre o Jay? Lá vai:






Até a próxima!

segunda-feira, 5 de abril de 2021

KAGAKU SENTAI DYNAMAN

título original: Kagaku Sentai Dynaman
título brasileiro: inexistente (inédito no Brasil)
ano de lançamento: 1983
país: Japão
elenco principal: Junichi Haruta, Koji Unogi, Satoshi Okita, Sayoko Hagiwara, Yu Tokita
direção: Shohei Tojo
roteiro: Hirohisa Soda

Em tempos pré-históricos, meteoros caíram na terra trazendo uma espécie de lagartos de outro planeta. E essas criaturas foram se abrigar no subterrâneo.
Com o passar dos milênios, esses lagartos evoluíram pra uma aparência quase totalmente humana. Exceto num ponto: cada um deles continuou tendo um rabo e até criando rabos novos. Mas isso era uma vantagem entre eles, já que, quanto mais rabos cada um deles tivesse, mais bem visto ele era na sociedade subterrânea e (assim se acreditava) mais poderes mágicos ele tinha à disposição dele.
Nessas condições, essas criaturas criaram o Império Jashinka, governado pelo perverso Imperador Aton.
Quando o calendário da ONU registrava o ano de 1983, o calendário de Jashinka registrava o ano de 7777. E pra comemorar a data, o Aton decidiu se apossar da superfície da Terra.
Vendo a situação, um cientista chamado Kyutaro reuniu 5 jovens que sabiam lutar, pedindo a eles que ajudassem ele a deter a invasão e oferecendo armas e poderes a eles pra isso.
Aceitas as condições, os 5 formaram o Esquadrão Científico Dynaman.

Na ordem de lançamento dos sentais, Kagaku Sentai Dynaman foi o sucessor de Goggle Five, os Guerreiros do Espaço (1982). E em termos de aspecto dos personagens, dá pra ver que até se inspirou bastante nele: a aparência da sala do trono do Aton lembra bastante a aparência da sala do trono do Chefe Tabu, a aparência do robô gigante dos Dynaman lembra bastante a aparência do robô gigante dos Goggle Five... E o ator que interpreta o guerreiro preto dos 2 grupos de heróis também é o mesmo: o Junichi Haruta.
Ou seja, ele foi o único ator a interpretar heróis de 2 sentais seguidos que usavam armaduras da mesma cor.rsrs
O Junichi é mais lembrado no Brasil por ter interpretado o MacGaren, em O Fantástico Jaspion (1985). Mas, ao longo dos anos 80, ele apareceu num monte de outras produções de aventura e ficção científica: Denshi Sentai Denziman (1980); Taiyo Sentai San Barukan (1981); Baioserapi (1986); Metalder, o Homem-Máquina (1987); Jiraiya, o Incrível Ninja; Cybercops, os Policiais do Futuro (ambos de 1988)...
Mas enfim: o que eu achei mais estranho nesse sentai aqui é a forma como os heróis aceitam o que tá acontecendo. Afinal, um cara que eles nunca viram chama eles pra lutar contra um império de seres bizarros que querem dominar o Mundo e eles respondem a isso numa boa e partem pra essa missão, como se vissem isso todo dia!
Aliás, são raras as vezes em que as histórias pessoais dos heróis de Dynaman são desenvolvidas. Acho que o que acaba aparecendo um pouco mais é o personagem do Junichi mesmo. E olhem que ele nem era o líder do grupo!
No time do mal, todos os vilões são feiticeiros. Mas as mudanças principais acontecem com a chegada da Princesa Kimera e depois da General Zenobia. E aliás houve até uma curiosidade aí...
A gente sabe que em sentais (principalmente em sentais dos anos 80), as entradas e saídas de personagens fixos geralmente aconteciam mais ou menos de 15 em 15 episódios. Então, por volta do capítulo 15, saía algum personagem antigo ou entrava algum personagem novo; por volta do capítulo 30, a mesma coisa; e por volta do capítulo 45, começava a fase conclusiva da história, geralmente com mortes de vilões fixos a cada episódio a partir dali. Mas no caso de Dynaman, anteciparam a chegada da Kimera (ela entra no capítulo 8) e atrasaram a chegada da Zenobia (ela entra no capítulo 38).
Outra curiosidade aqui é a ausência de lutas decisivas entre os heróis e os vilões fixos: só 1 dos membros de Jashinka tem uma luta no muque contra os Dynaman e chega a ser mortalmente ferido por eles ali. E mesmo assim, ele não morre diante deles e ainda consegue fugir pra morrer na base dos vilões.
Mais da metade dos vilões fixos aqui morrem de forma acidental ou então são mortos por vilões concorrentes.
Bom, temos que admitir que é um destino meio diferente pra vilões desse tipo de seriado, né?
Por outro lado, quase todos os vilões são personagens com personalidades bem definidas.
O ator Satoshi Okita, que aqui interpretou o guerreiro vermelho Hokuto, já tinha feito uma participação simples em Goggle Five.
A atriz Sayoko Hagiwara, que aqui interpretou a guerreira rosa Rei, reapareceria como a vilã Néfer em Flashman.
A atriz Mari Kono, que aqui interpretou a vilã Kimera, já tinha aparecido em 2 episódios de Denziman interpretando uma professora.
A atriz Ritsuko Fujiyama, que aqui interpretou a vilã Zenobia, já tinha feito participações simples em San Barukan e Goggle Five.
O ator Hideaki Kusaka, que aqui interpretou o vilão principal Aton, já tinha interpretado o vilão Heru Satan em San Barukan e também estava dando vida ao Mau Saíke em Sharivan, o Guardião do Espaço (1983). Ou seja, 1983 foi o ano em que ele deu vida aos vilões principais de 2 seriados. E além disso, ele seria mais tarde o Satan Goss em Jaspion, o Gyodai em Esquadrão Relâmpago Changeman (1985), o La Deus em Flashman, o Zeba em Defensores da Luz Maskman (1987) e o Ragon em Kosoku Sentai Turboranger (1989).
O ator Toshimichi Takahashi, que aqui fez uma participação simples, como já tinha feito em Denziman e San Barukan, já tinha interpretado o General Des-Killer em Goggle Five e na mesma época dava vida ao herói Keiso em Sharivan. E ele ainda voltaria como o vilão Iki em Jaspion, o Dr. Bio em Spielvan (1986), um policial em Baioserapi e um dos guerreiros que lutariam contra o Akira em Maskman.
O ator Koji Unogi, que aqui interpretou o guerreiro azul Yosuke, apareceria em 1 episódio de Flashman como o policial Hiroshi Tachibana e como o monstro Hedogross Jr. em Metalder.
O hoje falecido ator Masashi Ishibashi, que aqui interpetou o vilão Ka, já tinha feito participações simples em Space Cop (1982) e Shaider, o Detetive do Espaço (1984). E ele reapareceria como o vilão Raida em Turboranger.
E o hoje falecido ator Rikiya Iwaki, que aqui fez uma participação simples, já tinha feito personagens menores em Denziman, San Barukan e faria outra em Chodenshi Bioman (1984) também interpretaria o profeta Zel em Changeman.
Mais informações sobre Dynaman? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘produções japonesas’ que você acha posts sobre Baioserapi, Bioman, Changeman, Cybercops, Denziman, Flashman, Goggle Five, Jaspion, Jiraiya, Maskman, Metalder, San Barukan, Shaider, Sharivan, Space Cop, Spielvan e Turboranger.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!

domingo, 4 de abril de 2021

É BOM GANHAR UM OSCAR, MAS POR QUE SE DECEPCIONAR SE NÃO GANHAR?


E finalmente chegou o mês do Oscar 2021.
Como eu nunca fiz um post aqui dando a minha opinião sobre essa premiação, vamos a ele agora.
Já que existem várias categorias dentro desse evento, esse post vai se focar especificamente no Oscar de Melhor Filme, certo?
Ganhar o Oscar de Melhor Filme é bom?
Essa pergunta chega a ser ridícula, né? Em 1º lugar, porque, até que se prove o contrário, ganhar qualquer prêmio é bom. E em 2º lugar, porque ganhar um Oscar abre as portas pra infinitos convites que o vencedor desse prêmio vai começar a receber pra trabalhos de ‘1ª linha’ (vamos chamar assim).
Mas alguém só vai conseguir ganhar um Oscar de Melhor Filme se esse alguém conseguir fazer todo o tal filme se enquadrando no que a Academia de Artes e Ciência Cinematográficas quer ver.
O que a academia quer ver?
Um filme longo (com no mínimo 150 minutos de duração); com todas as cenas tendo um visual bonito, limpo e arrumado (coisas e/ou pessoas de aparência feia, suja e bagunçada só podem aparecer bem rápido e só com a intenção de representar algo negativo da história); com assuntos reais abordados de forma dramática (filmes que mostram assuntos fantasiosos ou que mostram assuntos reais abordados de forma cômica são quase sempre desconsiderados pela academia) e que contam uma história monótona com uns 2 ou 3 acontecimentos significativos espalhados ao longo do filme.
Se alguém tem alguma dúvida sobre isso, pode fazer uma pesquisa sobre produções que já ganharam o Oscar de Melhor Filme. Você vai ver que cada um desses filmes tinha no mínimo 3 quartos das características que eu mencionei acima.
Isso vai mudar?
Bom, vocês já devem ter percebido que a maioria dos membros da academia, que são os responsáveis por indicar os filmes aos seus respectivos prêmios, são pessoas que já chegaram pelo menos no início da velhice. E não é preciso observar muito o comportamento dos velhos pra detectar ali a famosa Síndrome de Gabriela:

“Eu nasci assim. Eu cresci assim. E sou mesmo assim. Vou ser sempre assim.”

Essa é a mentalidade típica de um velho, né? Velhos não gostam de mudanças. Rever conceitos, retomar posições, reformular ideias, entender que certas coisas já não funcionam mais da mesma forma como funcionavam antes não são características muito comuns na forma de pensar da maioria dos velhos.
Então, se os dirigentes de um grupo são quase todos velhos, vocês acham que esse grupo tem a tendência de mudar?
É claro que você vai torcer pro filme que você quer que ganhe. Mas, por tudo o que eu acabei de lembrar, eu diria que nenhum diretor deve se decepcionar porque o filme dele não foi indicado ao Oscar de Melhor Filme e igualmente nenhum fã deve se decepcionar porque o filme favorito dele não foi indicado a essa categoria. Porque a tendência é não ser indicado mesmo.rsrs
E isso não quer dizer de forma nenhuma que o filme seja ruim. Isso tem a ver é com o fato do filme ser diferente do que eu expliquei lá em cima. Se o filme não se enquadrou naquelas características, esqueça a possibilidade desse filme ganhar um Oscar. Ou mesmo de ser indicado.

Bom, até a próxima!

sexta-feira, 2 de abril de 2021

TENTÁCULOS

títulos originais: Tentacles / Tentacoli
título brasileiro: Tentáculos
ano de lançamento: 1977
países: Estados Unidos / Itália
elenco principal: Alan Boyd, Bo Hopkins, John Huston
direção: Ovidio G. Assonitis (creditado aqui como Oliver Hellman)
roteiro: Jerome Max, Steven W. Carabatsos e Tito Carpi

A cidade praiana de Solana se encontra às vésperas de uma corrida de barcos de crianças... Mas várias pessoas que se encontravam no Mar ou à beira da praia começam a sumir repentinamente. E os cadáveres deformados delas são encontrados depois, apresentando marcas do ataque de alguma fera marinha.
Como uma empresa local anda realizando obras submarinas usando sons de alta frequência, o repórter Ned, dias depois, supõe que algum animal que até ali era normal tenha enlouquecido com o barulho e começado a atacar as pessoas depois disso. E um especialista em animais marinhos chamado Will supõe que seja um polvo. E provavelmente um polvo muito maior do que o normal!
Só que a solução do mistério chegou tarde demais: a corrida das crianças no Mar já começou e o polvo, atraído pelo barulho, já começou a nadar na direção dos barcos delas!

Se você é fã meeeeesmo do Cinema de Terror e alguém chega pra você e fala “filmes de terror do final dos anos 70”, com certeza uma das coisas que vão vir à sua mente na mesma hora são filmes de animais enfurecidos, certo? Afinal, o sucesso de Tubarão (1975) fez com que vários cineastas investissem nesse tema naqueles anos. E Tentáculos foi um dos filmes que seguiram mais diretamente os passos de Tubarão, só que substituindo o tubarão gigante por um polvo gigante.
Até o nome original do filme, Tentacoli (“tentáculos”, em Italiano), faz uma alusão a uma parte do corpo do polvo, no mesmo peso e na mesma medida que o nome original de Tubarão, Jaws (“mandíbulas”, em Inglês), faz uma alusão a uma parte do corpo do tubarão.
Contudo, o filme do moluscão não deu tão certo quanto o filme do peixão...
Foi feito um animatronic da criatura, que custou quase 1 milhão de dólares e foi a maior despesa inútil que o filme teve: o boneco simplesmente afundou quando foi posto na água!
Assim, pra representar o polvo mostrado de perto, tiveram que fazer uma cabeça de polvo de borracha, que foi mostrada (muito mal) flutuando na água em algumas cenas. E em outras cenas, pegaram imagens de um polvo de verdade filmado num aquário e editaram da forma como puderam (nessas cenas, o polvo aparece sozinho, sem nenhum humano em volta, é claro).
Além desses problemas técnicos, muitas cenas de Tentáculos são desnecessariamente longas: dava pra cortar pelo menos uns 20 minutos de filme numa boa.
E o excesso de personagens desnecessários também não ajuda. Nada mudaria na história se uma meia dúzia deles simplesmente não existissem. Eles não alteram nada na história e nem sequer são atacados pelo monstro em nenhuma cena.
E é estranhíssima a reação deles quando, em plena véspera da corrida das crianças, fica evidente pra toda a cidade que tem algum bicho perigoso vivendo no Mar nos arredores de Solana: isso não parece incomodar muito ninguém e nem se pensa em cancelar a corrida na manhã seguinte!
Não vou contar o fim, mas a conclusão da história também é bem esquisita: quando faltam cerca de 25 minutos pro filme acabar, 2 personagens específicos resolvem ir encarar a criatura diretamente e todos os outros personagens do filme simplesmente somem daí pra frente! Eles não morrem nem nada parecido. Simplesmente não voltam mais a ser vistos nem mencionados pelo resto do filme, enquanto a história fica 100% focada na tentativa dos 2 lá de matar o polvo.
Dá pra ver que, na última cena, tentaram deixar uma porta aberta pra uma continuação. Mas nunca rolou.
Bom, se você gosta de filmes de terror dos anos 70 que mostram algum animal maior do que o normal tocando o terror contra um grupo de humanos, essa coprodução ítalo-estadunidense provavelmente tem tudo o que você quer ver. Mas, mesmo que esse seja o caso, é pouco provável que Tentáculos seja uma das produções que vão entrar pra sua galeria de filmes preferidos.
Mais informações sobre o filme? Lá vai:


E dê uma clicada aí do lado em ‘animais enfurecidos’ que você acha um post sobre Tubarão.
ATENÇÃO: esse post é inédito! Não consta na Bússola do Terror!
Até a próxima!